Claret Contigo – 29 de julho

Todos os dias uma meditação sobre as palavras do nosso Padre Fundador

29 de julho de 2020

“No princípio, quando estava em Vic, acontecia em mim o mesmo que acontece na oficina do Ferreiro, onde o ferreiro coloca a barra de ferro na forja e quando está bem quente a tira e a coloca sobre a bigorna e começa a descarregar golpes com a marreta; o ajudante faz o mesmo, e os dois vão alternando os golpes e compassadamente vão descarregando marretadas e vão batendo até que a barra de ferro tome a forma que se propõe o ferreiro. Vós, meu Senhor e Mestre, colocastes meu coração na frágua dos santos exercícios espirituais e frequência dos sacramentos, e assim, aquecendo meu coração no fogo do amor a Vós e a Maria Santíssima, começastes a dar golpes de humilhações e eu também dava os meus com o exame de consciência particular que fazia desta virtude, para mim tão necessária” (Aut 342)

DEIXAR QUE DEUS NOS TRANSFORME

Esta imagem, que é uma das muitas que emprega Claret em suas reflexões e comentários, superou muitas outras, pois reflete um dos aspectos mais centrais da espiritualidade do santo. Em nossa cultura urbana atual, muitos de nós estamos longe da riqueza da imagem que proporciona a frágua na oficina do ferreiro.

A imagem pode sugerir certa violência, em uma primeira leitura, porque faz referência aos golpes de martelo. No entanto, estes golpes não são destrutivos por duas razões. Em primeiro lugar, o ferreiro e seu ajudante estão conscientes de que a matéria que batem é uma barra de ferro; fazem assim com a certeza da resistência do metal. Em segundo lugar, também é de considerar que os metais rígidos somente podem ser moldados e modificados com o fogo abrasador e com os firmes golpes da ferramenta.

O calor, na figura da frágua, é imagem do amor de Deus e de Maria que precisamente fazem mais suave a não fácil experiência de transformar nosso coração, pois nos mostram o horizonte para o qual dirigimos, que é a santidade á qual o Pai nos convoca.

Somos, pois, convidados a colocarmo-nos com confiança nas mãos do Senhor, para que Ele nos transforme. Jesus veio “trazer fogo à terra” (Lc 12,49); e usou também as imagens da porta estreita, do carregar a cruz e outras. Neste caso, Claret acrescenta imagens novas, que representam esta realidade tão profundamente evangélica.

Uma boa sugestão será traçar-nos itinerários de crescimento pessoal, que favoreçam a docilidade que o Senhor nos pede, nossa maleabilidade para a forma que Ele quer nos dar e que nós aceitamos com de bom grado e confiança.

Que grau de confiança e liberdade deixamos ao ferreiro divino que quer modelar-nos?

Tradução: Padre Oswair Chiozini,cmf

Sobre o autor

Paróquia Imaculado Coração de Maria

[email protected] Avenida Getúlio Vargas, 1193 - Rebouças - Curitiba/PR (41) 3224.9574 - Secretaria Paroquial