Claret Contigo – 01 de agosto

Todos os dias uma meditação sobre as palavras do nosso Padre Fundador

01 de agosto de 2020

“Uma terra sem cultivo não produz nem para o dono nem para o colono. Religião sem culto, não serve nem para Deus nem para o homem; é inútil. É um dever irrenunciável para nós a prática da religião (…) escutando com gosto e docilidade a divina palavra, acolhendo-a fielmente em nossos corações e colocando-a em prática; recebendo com devoção e frequência os santos sacramentos, que para nosso bem foram instituídos; oferecendo a Deus os sacrifícios de louvor; fazendo oração e aceitando sua divina vontade” (O Trem. Barcelona, 1857, p. 59s).

IMPORTÂNCIA DO ELEMENTO CELEBRATIVO

A dimensão lúdica é uma necessidade vital do ser humano; é preciso dar-lhe uma orientação se quisermos conseguir o pleno equilíbrio pessoal e emocional, isto é, o equilíbrio vital, em seus distintos níveis; assim como também o equilíbrio social, isto é, o lúdico se converte em um aspecto do cultural na vida do ser humano.

É uma realidade incontestável. Precisamos celebrar a vida, os acontecimentos felizes, e inclusive os dolorosos, para dar-lhes sentido. O festivo se dá em todas as culturas, brota das mesmas entranhas do ser.

Na condição lúdica se descobrem os fatores humanizantes de que precisa a sociedade, fatores capazes de criar uma boa convivência. A pessoa humana, para seu desenvolvimento integral e em plenitude, precisa ativar suas diferentes facetas e virtualidades. E, entre estas estão as lúdicas e as festivas, que, cultivadas corretamente, sem acréscimo nem excesso de competitividade, afetam positivamente o pessoal e social, contribuindo assim não só para o nosso bem-estar, mas também para o nosso bem-ser.

Alcançar o projeto de vida para o qual fomos chamados deve ser uma meta sempre consciente em nosso viver. Alcançar a meta é desenvolver as diversas dimensões do humano, potenciando uma série de valores básicos em nossas relações: valores morais, sociais, intelectuais, inclusive físicos; todos eles devem desembocar na abertura à transcendência; em alguma medida se convertem em valores cristãos.

Quando descobrimos a presença e a bondade de Deus, Criador e Pai, não podemos deixar de colocar em jogo nossa dimensão lúdica e celebrativa. Celebramos a presença de Deus no meio de nós, na criação, em sua Palavra, nos Sacramentos, na amizade, no amor. E expressamos assim a alegria de sentirmo-nos Filhos, criados e sustentados por nosso Pai.

Como são minhas celebrações? Celebro a vida como um dom de Deus?

Tradução: Padre Oswair Chiozini,cmf

Sobre o autor

Danubia Ravena

Coordenadora do CPP (Conselho Pastoral Paroquial), participa do Coral In Matris Corde, Integrante da Pastoral da Comunicação. Responsável pelas mídias digitais da Paróquia Imaculado Coração de Maria desde 2015. Contato: [email protected]